No último sábado, a Cia Nrty participou do seu primeiro concurso: o Festival Jaguarão em Dança. Foi nossa estreia no palco, com parte do elenco.
Nosso trabalho começou ainda em 2018, em novembro, quando iniciei o projeto de popularizar a dança indiana na região. Foram meses de trabalho: os ensaios eram feitos separadamente, metade do grupo em Novo Hamburgo e a outra metade em Porto Alegre, e com ensaios gerais apenas uma vez por mês.

Não foi fácil, mas depois de muito trabalho conseguimos sincronizar todas as bailarinas na mesma frequência…todas pulsando juntas como um corpo único.

Nosso objetivo sempre foi levar um trabalho diferenciado ao público: não somos bailarinas dividindo o palco, somos um corpo único chamado NRTY. Buscamos dançar com nossa alma, levar ao público não só técnica apurada, mas encantamento.

Com esses ideais sempre em mente fomos para nosso primeiro evento, cheias de vontade de mostrar aquilo em que havíamos trabalhado por tantos meses.
E dançamos com todo nosso amor, com nossa alma, e foi maravilhoso. Não era possível saber que ali dançavam bailarinas experientes e outras que nunca haviam dançado em competições. Muitas de nós estavam dançando dança indiana pela primeira vez no palco, ninguém na plateia notou…todas estavam perfeitas!

E tudo isso foi recompensado, obtivemos a maior nota da noite entre todas as mais de 100 apresentações. Fomos destaque na categoria sênior, primeiro lugar na categoria folclore conjunto, e a terceira maior nota do festival, dentre mais de 300 coreografias.

Que este seja um início glorioso, que faça a dança indiana florescer em nosso país. Que o público possa desfrutar de um trabalho sensível, cheio de estudo e dedicação. Que sejamos parte de um movimento maior, movimento que vai levar as danças folclóricas e populares a outro nível de apreciação e respeito.

Amelize Mattos – diretora e coreógrafa da Cia Nrty